A Importância da Autenticidade

Educatrix_cidadania1-1-ENVIOTodos fomos chamados a crescer na verdade e na autenticidade daquilo que somos.
Não podemos viver de sonhos e de ilusões. 
Uma pessoa é autêntica quando se percebe como realmente é, sem mentiras e sem máscaras. A aceitação de si mesmo é a melhor terapia da vida.
Os desequilíbrios psicológicos, desintegrando a pessoa humana, têm início 
quando o homem quer ser aquilo que não é, não aceitando a própria realidade. É necessário construir a própria verdade,dentro de si mesmo,assumindo-a, a todo instante.
É bem ilustrativo o que nos relata R.Tagore.
Conta-nos que, certa feita, o sol já se tinha ocultado por detrás do bosque e os meninos da aldeia regressavam com o gado, agrupando-se ao redor do seu mestre Gantama, quando, de repente, surgiu um menino, desconhecido dos outros, que se saudou o mestre com as mais belas flores e frutos do campo, dizendo:
Mestre Gantama,eu vim para que me guie pelo caminho da verdade. Meu nome é Satya Kama.
Bendito sejas, Satya Kama, disse o mestre. E qual a família que você
pertence, meu filho? Porque só “os brâmanes” podem ser guiados na
sabedoria.

Mestre,eu não sei a que “casta” pertenço,mas vou perguntar a minha
mãe, respondeu-lhe o menino.

Voltou á casa da mãe, perguntando-lhe como se chamava seu pai. A mulher abaixou os olhos e lhe falou com doçura:
Meu filho, quando eu era jovem,conheci muitos amos,muitos homens. Só posso dizer-te que vieste aos braços de tua mãe Jabala que nunca teve marido.
Os primeiros raios de sol brilhavam na copa das árvores do bosque onde o mestre habitava.
Os meninos estava sentados ante o mestre,sob a sombra de uma árvore enorme e velha, quando Satya Kama chegou.
Fez profunda reverência a Gantama e ficou de pé em silêncio.
Fala, disse o mestre. Já sabes que é teu pai, qual é a tua casta?
Mestre, respondeu o menino, eu não sei.
  Minha mãe me disse que conheceu muitos amantes,quando era jovem,e que vim a seus braços,embora ela não tivesse marido.Eis a minha verdade: eu não sei quem é meu pai.


A essas palavras, os alunos do mestre fizeram um rumor enraivecido contra a desavergonhada insolência de Satya Kama,pretendendo ser instruído na sabedoria,sem filiação legítima.

Então o mestre Gantama levantou-se, tomou o menino pelas mãos e disse-lhe:
Satya Kama,tu és o melhor de todos os “brâmanes”, pois tens a mais nobre das heranças: a aceitação da verdade.

Ser “pessoa” consiste em ser o que se é na verdade de todas as suas capacidades, 
sem mentiras, sem falsificações, sem máscaras.

Mas, o homem tem medo da verdade de si mesmo, suscitando “fugas”, 
atitudes compensatórias, mecanismos de defesa, tudo quanto contribui para que a criatura humana não se assuma, não aceite a sua verdade genuína e, por isso mesmo, não de construa. Necessário se faz, como ao personagem de Tagore, que o homem assuma a sua verdade e cresça,como pessoa, na verdade, despojando-se da mentira, de todos os mecanismos de defesa, construindo, com palavras e gestos concretos, a sua verdadeira identidade.

O importante é aceitar-se como realmente se é, com as qualidades específicas e  
também com todas as limitações, com todos os defeitos e virtudes.

Somente assim poderá o homem percorrer o caminho da autenticidade e ser feliz. A nossa evolução enquanto pessoa depende desta   coisa chamada “autenticidade”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s