A Contextualização do Planejamento Estratégico na Gerência da Atenção Básica no Município de Sumé/PB

padrao

O Trabalho abaixo é um pequeno resumo de uma experiência e foi apresentado na III Mostra Nacional de Saúde da  Família  realizada em agosto de 2008 em Brasília

 O presente trabalho analisa o atual contexto da ESF do município de Sumé/PB para compreendermos a rotina de trabalho e avaliarmos se as ações desenvolvidas estão de acordo com a política e estratégia de saúde da família conforme  preconiza o Ministério da Saúde na legislação e política do SUS. Para desenvolvê-lo foi realizada uma pesquisa com os profissionais das seis equipes de PSF do município utilizando a metodologia do Planejamento Estratégico Situacional – PES. Considerando os dados coletados e os problemas identificados, pudemos observar que a Atenção Básica do município está precisando se adequar a política do Ministério da Saúde e que a forma como começamos a trabalhar, recentemente, no gerenciamento da Atenção Básica a partir desta nova perspectiva, tem provocado mudanças de atitudes entre os profissionais para um maior compromisso com o fazer saúde. Observamos também que não podemos reverter qualquer quadro diagnosticado como problemático sem uma leitura contextualizada e continua da realidade e sem um planejamento estratégico.  

 Introdução

 Ao ser convidado para assumir a Coordenação da Atenção Básica do Município de Sumé, pela Gestora de Saúde, tornou-se um grande desafio, pois o município é Gestão Plena de Sistema, tem 100% de cobertura e a Atenção Básica estava há quatro meses sem Coordenação, assim como tem um histórico de várias coordenações em períodos curtos de tempo.

Considerando que tenho dez anos que estou no quadro funcional da Prefeitura Municipal; que acompanhei a implantação da primeira equipe de PSF no município, assim como as outras cinco equipes; que sempre atuei enquanto profissional de Psicologia junto a ESF cooperando de várias formas com um trabalho da Psicologia da Saúde, Coordenação da Saúde Mental, Coordenação do Programa Tabagismo. E por fim, que tenho coordenado o Curso TACS, investindo na capacitação dos ACS. Circunstância esta que me dá embasamento e experiência para assumir a gestão da Atenção Básica do município, mas por outro lado, não me faz sentir seguro o suficiente para gerir e intervir no processo de trabalho da ESF do município. Então, a partir de um planejamento estratégico situacional procurei em primeiro lugar fazer um levantamento do contexto atual e da rotina de trabalho, com o intuito de, a posteriori, num segundo momento intervir de forma planejada e contextualizada. Para tanto, tive como fundamentação a Portaria nº 648/GM de 28 de março de 2006 que discorre sobre a política e estratégia da Atenção Básica e é um instrumento de gestão assim como os estudos do economista chileno Carlos Matus que foi o precursor deste enfoque metodológico.

Objetivo Geral:

·         Conhecer o desempenho e o processo de trabalho da ESF do município de Sumé.

 Objetivo Específico:

·         Ter um diagnóstico situacional da ESF de Sumé

·         Obter uma pré-avaliação ou uma avaliabilidade com o intuito de fazer uma intervenção eficaz e  um Planejamento Estratégico para a ESF do município.

Metodologia

 Em primeiro lugar fizemos reuniões com cada equipe e profissionais por categoria para discutir questões previamente construídas. E paralelamente procuramos fazer visitas programadas e não programadas in locu às unidades de saúde.

Resultados Alcançados

 Consegui em pouco tempo observar um impacto imediato entre os profissionais, pois nunca tiveram um espaço para dialogar sobre os problemas e dificuldades; respeito e credibilidade na gestão; expectativas positivas e maior compromisso e satisfação com o trabalho; e por fim um  maior engajamento no processo fazer saúde.

Lições aprendidas com a experiência

 No início, percebi algumas dificuldades como: um boicote mascarado e apreensão de alguns profissionais; a política que interfere no processo de trabalho beneficiando alguns profissionais e escanteando outros; e por último a cronificação de um modelo tradicional de fazer saúde.

Percebi sensibilidade, credibilidade e apoio a atual Coordenação por parte da Gestora de Saúde e  uma relação de trabalho dialógica entre os atores responsáveis pelo gerenciamento da saúde no município e os profissionais.

  Recomendações

 Para se ter sucesso na operacionalização das ações da saúde e mais precisamente na ESF é preciso antes de tudo conhecer a rotina de trabalho, a realidade, os atores, ouvir as opiniões, ser flexível e saber planejar. O planejamento deve ser estratégico, contextual, contínuo e considerar o processo histórico e as diferentes explicações da situação de uma realidade.

A análise de problemas, a identificação de cenários, a visualização de outros atores sociais, a ênfase na análise estratégica são elementos fundamentais e diferenciadores do PES em relação a outros métodos de planejamento. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s