Recortes de uma Vida com Distonia -VII

Mirian

Eu tenho o maior prazer em trazer mais um Recorte de uma Vida com Distonia(VII).  Mirian Ramos é uma amiga que vive com Câimbra do Escritor e mora em Tocantinópolis- TO. Ela é Coordenadora de Recursos Humanos da  SEDUC – TO.

HOJE, entendo que a Câimbra do Escritor já estava em mim desde a infância pelos sinais sutis de sua presença. ELA me fazia sentir…

Dúvida;

Insegurança;

Timidez;

Vergonha;

Excluía – me.

QUANDO eu tinha que escrever em público:

Achava minha caligrafia feia;

Tinha a sensação que ia errar ao escrever e errava mesmo, ficava nervosa sem motivo.

ANOS se passaram, sintomas avançaram, via crucis… médicos, médicos e mais médicos.

17 anos  depois…

ENFIM, o diagnóstico – Câimbra do Escritor. Fiquei ali, frente ao médico:

Sem chão;

Paralisada;

Anestesiada;

Chorava, chorava e chorava.

Dúvidas, muitas dúvidas sobre tudo, inclusive de como seria daqui em diante;

MAS a Câimbra do Escritor me fez

 Refletir sobre a essência da vida;

Ter necessidade de conhecer mais a Deus;

Perceber que a minha caligrafia era LINDA;

Encontrar muitos outros portadores desta síndrome;

Ver que não estava só;

Entender porque sempre me senti mais segura ao falar do que ao escrever. Precisaria da oralidade;

MAS isso não é conformismo, é ESPERANÇA, de um dia a Ciência encontrar a cura. ESPERANÇA de em breve, conquistarmos direitos, dignidade.

Enquanto isto é assim que escrevo com a Câimbra do Escritor

Mirian Ramos de Souza

###############################

J’ai grand plaisir à apporter un autre moment d’une vie à la dystonie (VII). Mirian Ramos est une  amie qui vit avec la crampe de l’écrivain et habite dans Tocantinópolis-TO – Brésil.   Elle est coordonnatrice des ressources humaines – Département de l’Education.

Je ne parle pas parfaitement français, mais je traduit le texte afin que les membres de la Communauté “Soutenons Amadys” connaissent l’histoire de mon amie brésilien.

Actuellement, je comprends que j’ai la crampe de l’écrivain de l’enfance. Je ne réalisais cette récemment par les signes subtils de la maladie… Dystonie me laisse avec des doutes.
J’ai un sentiment d’insécurité, timidité, honte, d’exclusion.

Quand j’écrivais en public,

Je pensais que mon écriture était horrible;

J’ai réalisé que je n’écrivais pas bien, j’étais nerveux sans raison.

Les années ont passé, symptômes ont évolué, un voyage difficile…  Je suis allé à de nombreux médecins et les médecins.

17 ans plus tard …

Enfin, le diagnostic – la crampe de l’écrivain. À ce stade, je me tenais devant le médecin:

angoissée et d’incrédulité, paralysée, anesthésié.

J’ai pleuré et pleuré et pleuré.

Questions, beaucoup de questions sur tout, y compris la façon dont il sera ma vie à partir de maintenant;

Cependant, la crampe de l’écrivain m’a fait penser:

Réfléchir sur l’essence de la vie;

J’ai ressenti le besoin d’en savoir plus Dieu;

J’avais une belle écrite avant et je ne savais pas.

Trouvez d’autres personnes atteintes de ce maladie;

Vous voyez, je n’étais pas seul.

Seulement maintenant je comprends pourquoi j’ai toujours senti plus en sécurité quand je parler et grande insécurité quand j’ai à écrire.
Je ne suis pas une femme conformiste. J’espère qu’un jour la science à trouver le remède. J’espère vivre mieux avec la crampe de l’écrivain. J’espère vivre sans dystonie! J’espère avoir une belle écrite, encore une fois!

En attendant, je vous écris avec la crampe de l’écrivain.

 Mirian Ramos de Souza

3 pensamentos sobre “Recortes de uma Vida com Distonia -VII

  1. Belíssimo depoimento, Mirian! Que exemplo a Sra. é. Também tenho fé e esperança de uma cura. Muito obrigada por compartilhar com conosco a sua história. Abraço!

    Curtir

    • Obrigada Mariana, temos que ter esperança. Ela é o motor que nos faz andar, correr, saltar inclusive. Não esquecer também que em tudo há um propósito debaixo do céu e há tempo pra tudo.

      Abraço querida!

      Curtir

  2. Gente, como o mundo é maravilhoso! O nosso mundo é um mundo de contrastes. Em janeiro deste ano fiquei triste e chorei paralisada diante do médico ao anunciar o diagnóstico. Em agosto deste mesmo ano, às 14h17min, quando abri meu face, novamente fiquei paralisada, emocionada e chorei muito novamente, só que desta vez foi diferente, o choro é de alegria, felicidade e gratidão com essa surpresa, e porque não dizer HOMENAGEM pois foi assim que me senti, homenageada, diante desta obra de arte que o Divanício fez com este meu texto. Me senti uma “poetiza” mas você é o artista que pegou o cristal e lapidou, ficou lindíssimo. Cristal, porque ele é claro, é límpido, mostra-nos por dentro, o que sentimos.

    Divanício muito obrigada! Esqueci até que sou portadora da Síndrome do Escritor.
    Meu abraço fraterno a todos os portadores desta síndrome, aceitem minha solidariedade.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s